domingo, 2 de maio de 2010

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO ENSINO DE CIÊNCIAS

Muitos são os métodos usados para o ensino de ciências nas escolas, mas as histórias em qudrinhos (HQ) estão ocupando um espaço de total relevância para tal ensino, despertando e aguçando o interesse dos alunos, uma vez que são histórias chamativas e interessantes, e assim tornam o aprendizado mais agradável.

É preciso que se inove a cada dia a mediação de conhecimentos para que o aluno se torne participativo e interessado em receber os conhecimentos de uma maneira agradável e instigativa, de modo que tais conhecimentos sejam mais detalhados e de vocabulário acessível.

Segundo trabalhos de Cabello e colaboradores (2010), em se tratando de saúde geralmente as crianças e os adolescentes já trazem para a escola conceitos errôneos aprendidos no entorno familiar e na vizinhança. Existem mitos e estigmas que levam a ter medo da hanseníase, criando assim um preconceito muito forte contra os doentes. Frente a este quadro, a educação e a divulgação científica tornam-se uma ferramenta de maior importância, pois através delas pode-se combater esses medos, pode-se mostrar que a doença tem cura quando diagnosticada precocemente e tratada corretamente.

Cabello e colaboradores (2010) ainda ressaltam que existem diversos materiais educativos, de campanhas e divulgação falando de hanseníase; neles, podem ser encontrados conceitos básicos da sintomatologia, diagnóstico, tratamento e cura da doença, mas pouco se fala da imunologia. É nesse sentido que a elaboração, aplicação e avaliação de uma história infantil, trabalhando conceitos encaixados num contexto o mais próximo possível ao real da hanseníase, poderá sem dúvida contribuir para um melhor conhecimento e divulgação da doença, além de instruir as crianças e os adolescentes com conceitos simples de imunologia.


Assim, devido ao fato de que o estudo de doenças em geral é às vezes um tanto complexo devido a termos científicos, o que torna difícil a compreensão deixando o aluno apático e sem interesse em participar da aula, tornando-se somente um recebedor de teorias; métodos inovadores e que sejam de interesse dos alunos como as histórias em quadrinhos, são uma grande e importantíssima ferramenta que os professores não só podem, como também devem utilizar, para que a construção do conhecimento pelos alunos seja cada vez mais interessante, facilitando assim a assimilação do conteúdo pelos próprios.

OBS: iniciativas deste tipo já vêm sendo realizadas com muito sucesso, sendo que uma das mais conhecidas no Brasil é o GIBIO, um gibi criado pelos alunos do curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Este é um trabalho que vale muito à pena ser conferido. Abaixo segue um link do site da Banca do GIBIO, onde os gibis podem ser acessados virtualmente. Divirtam-se:

http://www.ufscar.br/fotografia/gibiobanca.php


Referências Bibliográficas:

- CABELLO, K. SA., DE LA ROCQUE, L., SOUSA, I. C. F. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias v. 9, Nº 1, pp. 225-241, 2010.

4 comentários:

  1. Realmente, HQ's parecem ter uma aceitação muito boa entre os jovens. Fico me perguntando se esta é uma tendência independente de contexto ou se, daqui a alguns anos, este interesse irá desaparecer.

    Márlon, será que existe alguma versão online desse material de conscientização?

    ResponderExcluir
  2. Olá Érico... muito obrigado pelo comentário. Sobre uma versão online deste tipo de material, eu acabei de atualizar meu texto com um link para o site do GIBIO, que é um projeto que utiliza HQ's para o ensino de ciências desenvolvido por alunos da UFScar.

    ResponderExcluir
  3. Ester de Oliveira7 de maio de 2010 17:41

    O Márlon! Eu concordo com você, adorava os quarinhos do livro do Amabis...
    Acho legal publicar ensinar doenças de um jeito mais fácil. Meu irmãozinho, como vocês sabem, é provavelmente celíaco e uma amiga nossa deu a ele uma revistinha da turma do sítio do pca pau amarelo explicando o que é a doença celíaca e tornando a coisa muito natural. Como ele adora a Emília a revistinha foi de interesse dele.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. É verdade! Quem de nós nunca passou um dia inteiro lendo revistinhas em quadrinhos. Acredito que dependendo do contexto e da linguagem utilizada esses quadrinhos podem ser se grande ajuda para um aprendizado efetivo. Ainda, nesse contexto, outras atividades como a de desenho, pintura e criação de histórias também pode ser beneficiada por esses métodos, uma vez que os próprios alunos poderia ter parte na criação dessa ferramenta.

    ResponderExcluir